24.03.19

Urgente! Patrocínio não é filantropia

Foto: divulgação

Urgente! Patrocínio não é filantropia

Por: Flávio Cirilo (@flaviociriloba)

Na última sexta-feira (22), estava conversando com um jovem atleta baiano praticante do judô. Já ciente do seu potencial nesta modalidade, perguntei como andava a sua carreira, competições, planos para o futuro, etc.

Imediatamente ele me apresentou um cenário favorável para a conquista de títulos e medalhas, mas também de muitas dificuldades para traçar esse caminho tão promissor.
Entre as principais queixas estava a falta de patrocínio de empresas privadas.

Em um primeiro momento, apesar de conhecer a realidade desse mercado, fiquei perplexo, pois para mim é quase que inaceitável ver um atleta com ranking estadual para disputar o Campeonato Brasileiro de Judô não ter uma marca ou empresa de médio porte interessada em apoiá-lo.

É importante frisar que quando se fala em apoio no esporte não se trata de filantropia, mas sim de parcerias baseadas em resultados, onde o atleta, como contrapartida, dará retorno ao patrocinador com a visibilidade da marca ou exposição do seu produto e, consequentemente, atrair mais clientes.

Além de desmistificar essa ideia, também é importante destacar a falta de conhecimento por parte de alguns atletas sobre as estratégias para captar recursos. Muitos não têm um planejamento e não sabe nem mesmo como pedir.

Antes ir ao mercado, é necessário identificar as empresas que tenham valores ligados ao esporte, de preferência que estejam associados à modalidade que o atleta pratica.
Outro ponto que deve ser levado em consideração é como o atleta se comporta na busca do patrocínio. Não pode chegar como um “coitadinho” que precisa de recursos para praticar um esporte.

Quando se está diante de um possível investidor, é necessário mostrar todas as suas qualidades, resultados e como você, enquanto atleta pode contribuir para o progresso do negócio dele.

A dificuldade em conseguir investimentos privados para a prática esportiva é uma realidade, mas existem outras fontes de recursos que os atletas podem buscar para realizar os seus sonhos, entre elas, convênios, editais públicos e privados, financiamento coletivo e as leis de incentivo fiscal.

*Jornalista, pós graduando em Gestão Esportiva.